Em busca de um sentido de vida durante a Pandemia

Como passar por todo esse sofrimento ? Como fazer para proteger sua mente ?
Olá pessoal, tudo bom?
Eu estou aqui fazendo essa Live, estou um pouquinho sumido aqui do Instagram, mas eu vim aqui para fazer uma Live rápida, para dar um recado, principalmente para vocês que me seguem, que tem aí seguido várias das minhas orientações tem conversado comigo pelo Instagram.

Primeiro queria agradecer todo mundo, pois o ano de 2020 foi um ano difícil, ao mesmo tempo um ano de muitas conquistas, principalmente conquistas interiores e eu
queria falar um pouquinho disso para vocês e queria que vocês entendessem que a gente não vai falar de covid.

Quem quiser saber sobre covid, a dose da ivermectina, a dose da cloroquina, a dose de não sei o que, isso é papo para outro momento.

A gente vai falar aqui sobre a segunda epidemia, que é a epidemia do sofrimento, a epidemia dos problemas da cabeça, epidemia do emocional.

Eu acabei de ler um livro, um livro de 1946, do Victor Frankl, um médico, psiquiatra, e que faleceu em 97. Ele foi um médico que viveu os terrores no campo de concentração. E ele escreve um livro chamado: “Em busca de sentido” que ajuda muito a gente. Esse livro foi escrito em 1946, mas ele faz sentido até hoje e talvez
principalmente nos dias atuais. Nesse livro é passada a importância da gente saiba entender o sofrimento e tirar um sentido desse sofrimento.

Então eu queria aqui falar um pouquinho para vocês sobre como eu enxergo as consequências dessa pandemia e o que a gente pode fazer no nosso interior para, de certa forma, amenizar esse sofrimento.

Então, como eu estava dizendo, Victor Frankl viveu ali os horrores do campo de concentração, enfim, ele descreve vários dos Horrores.
Para se ter uma ideia, ele descreve no livro, a felicidade plena, ele fala isso. Era um momento onde não faltava a luz à noite e eles conseguiam se despir no frio e catar os piolhos para que eles conseguir dormir bem. Então isso era a felicidade plena para eles lá no campo de concentração.

E então, você imagina os terrores que eles viveram lá, que os prisioneiros viveram lá.
Enquanto muitos dos prisioneiros viravam relativamente animais mesmo, lutando pela sobrevivência, simplesmente seguindo seus instintos primitivos, e a gente não pode julgar aqui, a gente não tem a menor idéia do que esses prisioneiros passaram lá mas, enquanto houveram pessoas que fizeram isso, seguiram esse lado, existiram pessoas que entenderam o motivo daquilo ali, descobriram o sentido daquilo ali. E o Psiquiatra e Neurologista Victor Frankl, analisa essas figuras que sobreviveram ao campo de concentração e chega à uma conclusão: “que as pessoas que conseguiram sobreviver ao campo de concentração, foram aquelas que encontraram um sentido naquilo ali, um sentido naquele sofrimento”.

E não é meta gente, não é o futuro, é um sentido interior, porquê no campo de concentração, você não podia pensar que haveria o amanhã, como ele mesmo fala no livro, “a morte era muito mais próxima do que qualquer outra coisa”. Então, qualquer sentido precisava ser um sentido interior.

Neste sentido, ele faz uma análise brilhante, ele percebe que os prisioneiros como eu falei, que conseguiram sobreviver, eles conseguiram encontrar um sentido, seja relembrando amores, das esposas, da família, seja pensando nos filhos…

E é muito importante que isso seja passado para vocês. A gente está vivendo um momento difícil, a gente está vivendo um momento em que, a cada dia, surge uma notícia nova, “a vacina funciona”, “a vacina não funciona” , “eu já peguei, será que eu vou pegar de novo coronavírus” , “tem uma mutação está vindo de lá não sei aonde”, enfim, se a gente não conseguir enxergar uma significância interior nessa história toda, a gente vai ficar fadado ao desespero, que a gente vai lutar para sobreviver.

Então eu acho muito importante que a gente consiga refletir e busque um sentido interior nisso.
O meu sentido, sem dúvida nenhuma é servir, eu descobri, isso faz sentido para mim. É isso que eu vim fazer aqui na vida.
Eu não tenho a menor dúvida que todo mundo tenha um sentido.

Então, indico que vocês leiam o livro “Em busca de sentido”, de Victor Frankl, esse livro ajuda muito a gente a refletir sobre esse momento de vida em que a gente está passando…

Tem uma outra passagem do livro, muito interessante, que ele fala o seguinte: que certa feita um outro prisioneiro, que tinha um confidenciado para ele, Victor Frankl, que ele em fevereiro de 1945, ele tinha tido um sonho, e esse sonho ele fala que a guerra acabaria no dia trinta de março de 1945. E esse prisioneiro conseguiu viver, até que no dia 29 de Março, ou seja, um dia antes de quando “a guerra terminaria para ele”, segundo o sonho, ele fica doente por tifo, e morre no dia 31.
Portanto, é muito próximo ao dia que ele dizia que a guerra acabaria para ele.

A gente pode achar que isso é ficção, a gente pode achar que isso não tem nada a ver, mas a gente pode achar também que, ao perder a esperança e ao ver que a guerra
não acabaria para, ele é ele se entregou, a imunidade caiu, e aí ele ficou doente.

Então, não se entreguem à esse noticiário. A gente está vivendo uma doença em que tem tratamento, está chegando a vacina, mas que a gente, toda hora recebe um susto de alguma notícia. Então, eu queria deixar essa mensagem para vocês: achem sentido interior nisso tudo e não percam a esperança, por favor.

Essa Live é que eu inventei agora nesse momento, eu estou aqui com as minhas roupas de casa normais, não tem nada programado, mas eu precisava deixar essa
mensagem, e essa mensagem é realmente algo que vem do meu coração. Eu acho que a epidemia de doenças mentais, transtornos mentais, de questões emocionais, ela é
tão impactante quanto a pandemia do coronavírus;

Então, vocês precisam entender que é preciso achar um sentido nisso tudo, que não se pode perder a esperança.

Eu queria dar essa mensagem para vocês e fiquem com Deus.
Vamos nos falando nesses próximos dias.
Live rápida, mas mensagem dada!
Vamos em frente, tudo de bom.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *