Testosterona e coração: quando fazer a reposição deste hormônio?

Relato de 2 casos recentes que atendi no meu consultório.
Sou a favor da reposição de testosterona desde que bem indicada. O problema é quando ela é mal indicada… Leiam esse artigo com atenção!Olá tudo bem?
Para quem ainda não me conhece, eu sou o Dr. Guili Pech, sou especialista no combate ao Covid-19, e defensor do tratamento precoce para o combate desse terrível vírus. Sou formado em Medicina, e possuo especialização em Cardiologia e Arritmologia.

Eu vim aqui  falar de reposição de testosterona e doenças cardíacas.
Na verdade, o motivo de fazer esse vídeo, é ter recebido dois casos muito proximamente aqui no meu consultório, de pacientes que tiveram indicação de fazer reposição com testosterona, e que vieram aqui ter uma segunda opinião, o que deveriam fazer, se existia algum risco cardiovascular, se eles poderiam dar prosseguimento a uma ideia inicial de outro médico, de repor, de fazer essa reposição de testosterona.

E aí, eu entendi que, antes de avaliar possíveis riscos, precisava entender efetivamente, se o paciente realmente tinha necessidade, tinha a indicação de fazer reposição daquele hormônio.

Então, por exemplo, o primeiro paciente era obeso, que, na minha avaliação, eu vi que ele transformava muito a testosterona em estradiol, ele tinha uma dosagem de estradiol muito alta. Então, se a gente fizesse testosterona nesse paciente, ele ia aromatizar muito, ou seja, ele ia transformar muito testosterona em estradiol. Nesse caso específico, eu optei por não repor a testosterona, mas ele foi tratado, foi usado um bloqueador dessa conversão da testosterona em estradiol e obviamente que esse paciente precisou emagrecer para que essa aromatização que está associada à obesidade, não acontecesse.

O outro paciente era jovem, tinha 40 anos, com a testosterona lá embaixo, e já com a indicação de reposição da testosterona. Quando a gente foi ver, ele tinha um micro adenoma hipofisário, uma doença da hipófise, uma doença benigna da hipófise, que aumenta muito a prolactina. Então a gente viu a prolactina muito alta, a gente encaminhou ele pro endócrino, e ele foi tratado. E aí, quando ele tratou, ele bloqueou a prolactina e a testosterona subiu sem precisar repor.

Então, o que eu queria dizer é o seguinte: antes de usar a testosterona, tem que ter cuidado, tem que fazer uma consulta com um especialista que entenda realmente de modulação hormonal, para que esses equívocos que podem acontecer, sejam minimizados.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *